Arte à mão

Ouro Preto recebe exposição de arte e artesanato mineiro

Encontro integra a programação de colóquio de psicologia e educação

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 12/11/2019 13:10 / atualizado em 12/11/2019 13:19 Joana Gontijo /Lugar Certo
Flow Ateliê e Rosana Piló - Divulgação Flow Ateliê e Rosana Piló

A arte e o artesanato se ramificam em um leque diversificado de manifestações que, adentrando cada obra, sinalizam uma direção de pertencimento ao representar experiências, tradições, histórias que perpassam famílias, laços identitários, muito antes retratos da vida. Com personalidade e um poder inerente de aguçar os sentidos, não é à toa que esse tipo de trabalho seduz admiradores pelo mundo inteiro e ganha protagonismo dia a dia, uma vez expressão da cultura, fruto de criação única e reflexo autêntico da presença de um povo. Em Minas Gerais não faltam representantes dedicados à riqueza do labor artístico e artesanal.

É para celebrar esse universo que, entre 18 e 20 de novembro, acontece a Exposição de Arte e Artesanato, parte da programação do Colóquio Internacional de Psicologia e Educação da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), reunindo nomes talentosos do ramo, com o melhor da concepção criativa local.

O evento acontece no centro de exposições da UFOP. "É um encontro internacional, estarão presentes pessoas de vários países. Além de chamar o público local, também queremos mostrar um pouco da cultura popular mineira para quem é de fora. A ideia é enriquecer o evento, representando a arte e o artesanato feitos em Minas, até para quem quiser levar lembranças daqui", conta a curadora da exposição, Cynthia Rabello, sobre a iniciativa encabeçada pelo projeto Beagá Arte.

Exequiel Duarte e Cynthia Rabello - Divulgação Exequiel Duarte e Cynthia Rabello

Em paralelo, o calendário contempla ainda a realização de oficinas e palestras sobre o artesanato mineiro. "Temos tentando integrar o artesanato e as artes visuais. Entramos em uma nova fase do projeto - saímos do formato de feira para alcançar um público mais seleto, que valorize realmente esse trabalho", diz Cynthia.

"Costumo dizer que estamos no meio termo - não fazemos nem o artesanato simples e nem as obras de arte mais inviáveis e inacessíveis. Buscamos trazer a arte e o artesanato que sejam alcançáveis e que as pessoas possam consumir no dia a dia. Pretendemos promover a união entre os atores dessa cadeia. Convocamos o público para prestigiar a produção em Minas, enaltecendo o que a gente tem e faz", acrescenta.

Fernanda Tunes e Luiz Maia - Divulgação Fernanda Tunes e Luiz Maia

Um dos destaques da programação é a mostra fotográfica Libertos, do fotógrafo Luiz Maia. Esta é a primeira entre três partes em que consiste a exposição. Nesta etapa os registros focam os quilombolas de Minas Gerais, especificamente a comunidade Cachoeira dos Forros, localizada na área rural da cidade de Passa Tempo.

Um dos princípios é demonstrar a força da história que os quilombolas carregam. Depois de lutar por sua sobrevivência e liberdade, os descendentes dos quilombos hoje batalham por melhores condições de vida e por manter sua identidade cultural.

Arte de Maria e Adolfo Viana - Divulgação Arte de Maria e Adolfo Viana

As próximas fases do projeto Libertos, ainda em andamento, serão registrar comunidades nos principais estados do Brasil e, em seguida, capturar os escravos libertos brasileiros que retornaram para a África.

A Flor do Campo e Bruaca - Divulgação A Flor do Campo e Bruaca

Com um variado leque que incrementa o encontro, o melhor do artesanato, das artes, da moda e do design chega com a presença ilustre de marcas locais, reafirmando a força criativa de Minas. Entre as ofertas estão: joalheria com pedras naturais e pérolas; desenhos e ilustrações afetivas; quadrinhos em micro mosaicos e esculturas minimalistas em palito de fósforo; maquetes com paisagens de vilas; bolsaria artesanal; papelaria customizada; pirografia; produtos de moda elaborados por projeto social; esculturas em cerâmica com referências ao Rio São Francisco; macramê; bonecas; acessórios em material reutilizado e muito mais.

Pela segunda vez em Minas Gerais, o Colóquio Internacional do Laboratório de Estudos e Pesquisas Psicanalíticas e Educacionais (LEPSI) realiza sua 13º edição, intitulada Por que a psicanálise na universidade e na educação hoje? Ensino, transmissão e resistência. O tema surge da necessidade de discutir a presença da psicanálise na ciência, na universidade e na educação.

Hortência Muniz e Libertees Brasil - Divulgação Hortência Muniz e Libertees Brasil

Abayomi e Pirografia Fênix - Divulgação Abayomi e Pirografia Fênix

O evento conta com mesas redondas, entrevistas, fóruns de comunicação livre, além da intensa programação cultural. Ao mesmo tempo, acontecem o 8º Encontro das Redes Interuniversitárias (RUEPSY: Brasil e Europa), o 4º INFEIES (Brasil e América Latina), e o 3º Encontro do Grupo de Psicanálise e Educação da ANPEPP.

A programação completa está na página oficial do evento: https://www.pe2019.eventos.dype.com.br/site/capa

Veja a lista dos participantes da exposição de arte e artesanato:

Expositores:

Exequiel Duarte
Rosana Piló
Arte de Maria
Libertees Brasil
Bruaca
Pirografia Fênix
Flow Ateliê
Adolfo Viana
Cynthia Rabello Design
Hortência Muniz
A Flor do Campo
Projeto Abayomi

Exposições:

Luiz Maia
Fernanda Tunes
Robert Frank
ASA Ouro Preto

Últimas Notícias

ver todas
05 de dezembro de 2019
03 de dezembro de 2019

No Lugar Certo você encontra o que procura