MINIHOUSE

Projeto em Lagoa Santa prevê condomínio de mini casas modulares

São 28 unidades que estão em fase de montagem, uma boa oportunidade também para quem pretende investir no mercado imobiliário

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 21/03/2022 12:07 / atualizado em 21/03/2022 13:43 Redação Lugar Certo /Estado de Minas

Startup mineira MiniHouse optou pelo método de construção modular na concepção de um condomínio de casas totalmente feito com esse foco - MiniHouse/Divulgação Startup mineira MiniHouse optou pelo método de construção modular na concepção de um condomínio de casas totalmente feito com esse foco

Novos métodos construtivos para resultados diferenciados quanto a competitividade e rentabilidade. O mercado da construção civil está atento às demandas por diferentes parâmetros de moradia que vêm ganhando a preferência de quem busca um lar para chamar de seu. O movimento das mini casas, ou tiny houses, como a denominação de quando surgiu, nos Estados Unidos, tem sido um eixo cada vez mais forte na procura dos futuros moradores.

Construtoras buscam no modelo industrial a equação exata para atender quem quer investir em estruturas mais modernas e com apelo mais sustentável e inteligente, ainda com retorno de investimento mais rápido que os projetos convencionais.

A demanda agora se volta significativamente para imóveis compactos, mobiliados, bem localizados, com espaços compartilhados como lavanderias, ambientes para encontros e lazer, conectividade, serviços de governança, e até lojas self service.

De olho nesse nicho, a startup mineira MiniHouse optou pelo método de construção modular na concepção de um condomínio de casas totalmente feito com esse foco. São leiautes que agradam essencialmente estudantes, pessoas que moram sozinhas, a terceira idade, casais LGBTQIA+ e jovens da geração Y.

O projeto fica em Lagoa Santa e contempla 28 unidades de mini casas modulares, atualmente em fase de montagem. Os pontos positivos são as tecnologias inteligentes empregadas na obra, baixo custo de manutenção, além de um visual que não deixa nada a dever a construções de primeiro mundo. Uma oportunidade também para investidores.

 

A MiniHouse está investindo na construção de casas compactas, com a previsão de chegar a 30 mil unidades até 2030.  A opção pela construção modular industrial diminui o prazo de obra. As unidades inteligentes serão gerenciadas por meio de smartphone, permitindo controlar o aparelho de ar-condicionado, televisão e luzes.

As áreas comuns, como lavanderia, sala de reunião, mini market, coworking e demais serviços, também poderão ser controladas pelo celular.  Cada casa varia de 12 até 18 metros quadrados, e serão disponibilizadas somente para locação. O empreendimento conta com infraestrutura de segurança, espaços projetados para a socialização e rede wifi.  

As minihouses poderão ser contratadas de forma flexível, prevendo locação por um mês ou pelo período que o usuário necessitar, sem burocracia. O CEO da empresa, Rangel Lerbach, afirma que o foco dos investimentos não está somente nos grandes centros urbanos, mas também em cidades do interior com mais de 70 mil habitantes e com alto potencial de crescimento.

Toda as casas serão construídas pela indústria CMC, empresa do grupo Lafaete com mais de 50 anos na construção civil, líder no mercado de construção modular.

Tags: condomínio Lagoa Santa mini casas MiniHouse

Últimas Notícias

ver todas
07 de agosto de 2022
16 de julho de 2022